Algo extravagante, irreverente, diferente, sentimental, frio, revoltante, sexy, real, simples e composto. O abstracto está em todos nós, mas só alguns o conseguem tornar concreto.

15
Mar 09

Enquanto o incenso arde mil memorias me atravessam, mil desejos me consomem, mil luas me aguardam.
Enquanto o incenso arde mil noites parecem dias, mil pesadelos parecem sonhos, mil invernos parecem verões.
Enquanto o incenso arde os olhares tornam-se intensos, os beijos desejados e os toques sentidos. O amor torna-se real, a felicidade imaginaria, a realidade flutua na imensidão da ilusão.
Enquanto o incenso arde todos os cheiros se confundem, todas as vontades se misturam, todas as mortas verdades se esquecem.
Enquanto o incenso arde eu escrevo este texto e observo as intocaveis linhas paralelas do fumo libertado. São como duas vidas provenientes do mesmo espaço, arvores da mesma raiz, prevalecem lado a lado rodopiando entre si mas sem se cruzarem verdadeiramente, no ponto mais longinquo envolvem-se lentamente desaparecendo na imensidao tornando-se assim ar do mesmo ar, luz da mesma luz, agua da mesma nascente.

Quando o incenso deixa de arder pedaços de cinza permanecem, rapidamente se volta à realidade e a inspiração desaparece com o desvanescer da chama emanada, com o ultimo suspiro do fumo emitido. 

 

publicado por Isabel Sanchez às 00:32
sinto-me: Zen
música: Lily Allen - The Fear

Abril 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
30


posts recentes

Enquanto o incenso arde

subscrever feeds
arquivos
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO